You are here
Home > Finanças > Cinco dicas para acertar ao comprar apartamento na planta

Cinco dicas para acertar ao comprar apartamento na planta

Adquirir um imóvel ainda em fase de projeto ou em obras resulta em diversos benefícios. Por outro lado, como o imóvel ainda não está finalizado, é importante adotar alguns cuidados antes de decidir pela compra para que você tenha a certeza de que fará uma negociação segura e vantajosa.

Para esclarecer os principais pontos na hora de comprar um apartamento na planta, Lucas Araujo superintendente de Marketing e Inteligência de mercado listou as melhores dicas para não errar na hora de fechar o negócio. Confira abaixo:

1. Conheça o projeto e os materiais de apoio

O apartamento na planta é, no momento da compra, intangível: você não consegue vê-lo, tocá-lo, nem tampouco visitá-lo, certo? Por esse motivo, a melhor forma de visualizar o que você está comprando é visitar o decorado do apartamento no terreno onde o prédio será construído. Estudar o projeto e os materiais de divulgação da incorporadora também ajuda.

De acordo com Lucas Araujo, essas peças podem incluir fotos e vídeos, perspectivas dos espaços e até mesmo uma maquete do projeto. “Tenha em mente que é muito importante guardar esses materiais até a entrega do projeto, já que eles serão a base de comparação entre o que foi prometido e o que foi entregue”, aconselha.

Para ter acesso a esses documentos, visite o plantão de vendas do empreendimento, onde representantes da construtora estarão à disposição para esclarecer dúvidas e mostrar detalhes da obra.

2. Estude o custo-benefício

O custo-benefício de um imóvel na planta deve ser avaliado a partir de uma série de fatores, como localização, tamanho, prazo para entrega da obra, qualidade dos acabamentos, benefícios do condomínio e, claro, o valor da compra. “Essa é uma análise que varia de imóvel para imóvel, mas é importante considerar as opções no mercado, o potencial de valorização e a destinação que você quer dar para a propriedade, ou seja, se a sua família viverá nela ou se optará por alugar para terceiros”

Lucas também indica fazer as contas e fechar o negócio após estar convicto de que ele é vantajoso.

3. Pesquise o histórico da construtora e da incorporadora

As diferenças entre essas duas empresas são uma dúvida comum de quem busca entender como comprar apartamento na planta. Segundo Lucas Araujo, a incorporadora é responsável por articular os negócios que envolvem o projeto, fazer as vendas, negociações, formalização de registros e documentos, enquanto a construtora efetivamente executa a obra nos moldes projetados.

“Há casos em que uma mesma empresa atua nas duas funções. Independentemente disso, você deve conhecer o histórico dos envolvidos no que se refere à: opinião e satisfação dos clientes; qualidade das obras já entregues; saúde financeira; reputação da empresa no mercado e execução dos projetos anteriores”, explica Lucas.

No caso das empresas de capital aberto na bolsa de valores, todas as informações financeiras e operacionais estão acessíveis ao público. Assim, torna-se mais fácil consultar a saúde financeira e o histórico da organização.

4. Analise o prazo de entrega

Antes de comprar o apartamento na planta é fundamental conhecer o prazo de entrega do empreendimento. Além de consultar a construtora, pesquise se ela tem um bom histórico de cumprimento de prazos e, se não, qual é o tempo médio de atraso. “Somente com essas informações você conseguirá fazer um bom plano financeiro para não passar aperto até a entrega do imóvel. Observe que, em muitos casos, o contrato estipula um período possível de atraso, portanto, ele não pode ser ignorado”, completa Lucas.

5. Verifique se o contrato contém cláusulas de garantia ou proteção

Algumas situações devem estar previstas no contrato de modo a proteger tanto o comprador quanto a incorporadora e a construtora. “Estude o contrato antes de assinar e certifique-se de que ele contém: prazo máximo da obra, incluindo a tolerância de atraso; consequências em caso de desistência do comprador; multas e penalidades para descumprimento de cláusulas; prazo para troca de materiais de má qualidade ou conserto de defeitos e garantia contra problemas estruturais de segurança”, indica Lucas.

Ele ainda alerta que se alguma dessas informações estiver ausente do contrato, é necessário conversar com a empresa e tente sanar o problema. “Caso você não se sinta seguro para concretizar o negócio, é melhor não fazê-lo”, revela Lucas Araujo.

Comprar apartamento na planta não é um bicho de sete cabeças, pelo contrário, pode ser muito vantajoso. Porém, como em qualquer tipo de negociação, é importante adotar algumas medidas de precaução e não agir por impulso. Dessa forma, se evita arrependimentos no futuro.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top