You are here
Home > Negócios > Empresas familiares devem enfrentar os conflitos para sobreviver

Empresas familiares devem enfrentar os conflitos para sobreviver

Os conflitos familiares dentro de uma empresa ocorrem sob duas condições – quando falta dinheiro e quando há muito dinheiro, disse o consultor em governança corporativa Gino Oyamada, que nesta quinta-feira (4) coordenou um seminário sobre negócios de família. Com essa afirmação, o especialista – sócio-diretor da 3G Consultoria, uma das mais prestigiadas do mercado no Sul e Sudeste do país – chamou a atenção para o fato de que sempre haverá conflito e as empresas devem enfrentá-los para sobreviver. “As boas práticas de governança têm o papel de mitigar conflitos, garantindo a sucessão sem crise e a longevidade dos negócios.”

O debate reuniu cerca de 50 empresários – na maioria herdeiros de empresas de pequeno, médio e grande porte, de Santa Catarina e do Paraná. O tema atraiu empreendedores de ramos variados, da área de serviços à indústria. Eles conheceram a experiência do empresário Fabio Napoli Martins, que aos 38 anos dirige a Ibema Participações S/A (Ibemapar), holding com negócios em energia, papel, reflorestamento e construção.

Martins viveu um longo processo de sucessão familiar e reestruturação societária na companhia criada há 60 anos por seus avós. Entre as inúmeras lições que ficaram desse trabalho e que brotam diariamente, o executivo citou a importância de que a empresa sempre olhe para as necessidades do negócio e não para as da família. “É a única maneira de a companhia crescer e se perpetuar”, afirmou.

Meritocracia, experiência profissional em outras empresas, formação acadêmica e resiliência para enfrentar discordâncias com acionistas são essenciais, disse ele, para que os herdeiros se credenciem a trabalhar na empresa da família.

O seminário, promovido por iniciativa da 3G Consultoria e da CMT – Carvalho, Machado e Timm Advogados, também abordou o planejamento sucessório. O advogado Orlando Celso da Silva Neto, professor de Direito Empresarial da UFSC e sócio do CMT em Florianópolis, apontou estratégias e instrumentos jurídicos importantes na condução de um processo sucessório.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe um comentário

Top