You are here
Home > Artigos > O engajamento dos colaboradores em um mundo colocado à força em home office

O engajamento dos colaboradores em um mundo colocado à força em home office

A pandemia causada pelo novo coronavírus obrigou empresas de todo o mundo a adaptarem suas rotinas e métodos de trabalho, adotando o home office como resposta imediata à evolução da Covid-19. É fato que muitas empresas, no Brasil e no mundo, já tinham essa como uma prática regular. Mas sabemos que a esmagadora maioria das empresas foi forçada a se adaptar.

Em empresas que já contavam com um programa de home office implementado, o ‘susto’ foi quase imperceptível. Com 100% dos times trabalhando remotamente, muitas empresas têm se tornado cases de inovação e manutenção da operação em perfeito funcionamento. Se olharmos especificamente para segmentos como os de tecnologia e financeiro, os exemplos são inúmeros.

Mas como manter o engajamento dos colaboradores com esse novo formato de trabalho? Alguns exemplos práticos – e, muitas vezes, simples – podem ajudar. Em algumas empresas, os colaboradores se reúnem virtualmente todos os dias, a qualquer hora, sem impacto no dia a dia de trabalho e no andamento do negócio.

Pode-se criar um ‘escritório online’ completo, com salas virtuais para cada equipe, nas quais se trabalhe como se estivesse na própria sede. Qualquer funcionário pode ‘visitar’ a sala de outra área e, dessa forma, é possível manter o engajamento, a comunicação e o relacionamento entre todos.

Além do dia a dia de trabalho ‘normal’, mesmo à distância, outra medida que contribui diretamente com o engajamento dos colaboradores e a manutenção da cultural organizacional das empresas é o olhar cada vez mais humano para as necessidades individuais de cada um. Benefícios ‘regulares’ podem ser adaptados, em diversos casos. Um exemplo é a opção para que cada colaborador distribua o crédito dos valores referentes a Vale-Refeição e Vale-Alimentação de acordo com suas necessidades: em vez de apenas creditarmos os valores padrões, permitir que as pessoas apontem como preferem essa divisão, afinal, com mais tempo em casa, o consumo em supermercados é maior do que aquele em restaurantes.

Em tempos de crise sanitária, a saúde das pessoas deve vir em primeiro lugar. Por esta razão, o incentivo a campanhas, como a de vacinação contra a gripe, é uma excelente iniciativa. Para as empresas que puderem estender o subsídio também aos dependentes legais, os resultados são ainda melhores. Alia-se a essa ação a responsabilidade social: com sintomas semelhantes aos da Covid-19, prevenir a gripe ajuda diretamente na diminuição de necessidade de ocupação hospitalar, principalmente considerando a chegada do inverno.

Além disso, incentivar a realização de happy hours, cafés da manhã e treinamentos, todos feitos virtualmente, é fundamental. Com o apoio da tecnologia, isso ocorre sem prejuízos ao diálogo e ao aprendizado. Atitudes como essas, que podem ser adotadas por empresas de quaisquer portes e segmentos, contribuem diretamente com a produtividade e o engajamento nesse período e demonstram o respeito da companhia para com os seus colaboradores.

No nosso caso, usufruímos do que mais entendemos: a tecnologia. Com ela, é possível otimizar o trabalho e entregar os mesmos resultados, melhorando processos, economizando suprimentos, contribuindo diretamente com a sustentabilidade, organizacional e ambiental, e respeitando o isolamento social. Não sabemos ainda quando a sociedade global retornará às vidas da maneira que conhecíamos. Mas, cada empresa pode seguir dando continuidade ao trabalho de maneira ágil, eficaz e integrada, mantendo o compromisso de colaboração com seus clientes e o cuidado com as suas pessoas. Porque antes de sermos tecnológicos, somos humanos.

O artigo foi escrito por Michaela Vicare, que é diretora de Gente & Gestão (RH) na Tecnobank.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top