You are here
Home > Negócios > Recuperação Judicial: qual o momento certo para recorrer?

Recuperação Judicial: qual o momento certo para recorrer?

As empresas de uma forma geral, independentemente do tamanho e do setor de atuação, estão passando por momentos complicados desde a decretação da pandemia do novo coronavírus. Com o aumento das incertezas, o setor financeiro das companhias vem sendo cada vez mais exigido e questionado sobre como equilibrar o caixa; ou sobre qual é o momento certo para recorrer à recuperação judicial; ou ainda como lidar com clientes e fornecedores se a empresa não tem outra alternativa senão se utilizar do remédio legal da recuperação judicial.

No mês passado, por exemplo, os pedidos de recuperação judicial em todo o País aumentaram 68% em relação a abril, segundo informação da Boa Vista. O mais assustador, é que estudos apontam que caso se comprove a queda de 6,54% do Produto Interno Bruto, este ano, o número de empresas brasileiras que recorrerá à Recuperação Judicial poderá chegar a 3 mil. No Paraná, este número deverá ficar entre 170 e 210.

Período de deserto

Eu conversei com o economista e membro do Comitê de Finanças do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças do Paraná, Luis Gustavo Budziak (foto), e ele me disse que os profissionais do setor financeiro atravessam um período de deserto e muito mais difícil do que as crises econômicas enfrentadas anteriormente.

No caso específico da Recuperação Judicial, o dirigente do IBEF do Paraná me explicou que a medida tem se mostrado eficaz, mas vários pontos devem ser analisados. Em primeiro lugar, o planejamento financeiro deve ser feito diariamente. A empresa tem que estar atenta se ela tem caixa para atravessar este período de dificuldade, e nunca pode se descuidar de seus fornecedores e clientes. De acordo com Luis Gustavo, muitas vezes não é a empresa que recorre à recuperação judicial, e sim o seu fornecedor ou o seu cliente, o que também lhe causará problemas.

Tempo certo

O trabalho do executivo financeiro numa empresa, neste momento, também não pode falhar quanto ao tempo certo de recorrer à Recuperação. Na avaliação do membro do IBEF,  a Lei que instituiu há 15 anos a Recuperação Judicial tem se mostrado eficaz  e ajudou grandes organizações a pagarem suas dívidas evitarem a falência.

Os empresários paranaenses que têm dúvidas sobre a viabilidade ou não de recorrer à recuperação judicial, neste momento, poderão participar nesta terça-feira (30), das 18 às 19h30, do webinar promovido pelo IBEF do Paraná, que tem como tema o papel do CFO no processo de recuperação judicial. Participarão deste evento online, que é gratuito e aberto a todos os interessados, o juiz da 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo, Daniel Carnio Costa; o empresário Fabio Mazzini, diretor-presidente da Mangels Industrial; o CFO da Cocelpa, Luiz Antonio Cavet; e o sócio da Taipa,Tiago Schuelter. O modeador será o economista e sócio da Valuup Luis Gustavo  Budziak.

A inscrição poderá ser feita no link: https://us)2web.zoom.us/webinar/register/WN_avedY0x1QVqKWPZETtBQ

Recuperações Judiciais no Paraná

Estudo realizado pela Valuup apontou que no período de junho de 2009 a junho de 2019, 484 empresas paranaenses recorreram à Recuperação Judicial.

Caso a queda de 6,54% do PIB se confirme, os pedidos de RJ poderão chegar entre 170 e 210, ou seja, quase o dobro do verificado em dez anos.

Mirian Gasparin
Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top