You are here
Home > Trabalho/Emprego > Funcionários desmotivados no trabalho? Aprenda a reverter a situação

Funcionários desmotivados no trabalho? Aprenda a reverter a situação

Segundo o Índice de Saúde Organizacional, recente pesquisa realizada e divulgada pela consultoria McKinsey, os brasileiros estão entre os mais desmotivados profissionalmente. O estudo com 82 empresas que somam 170 mil funcionários diz que a motivação profissional nem sempre está vinculada ao salário. Um dos maiores motivos para a falta de ânimo no trabalho é que a maioria dos colaboradores gosta de se sentir parte da empresa, estão buscando inovar, mas muitas vezes não recebem nenhum incentivo da liderança.

A pesquisa mostra também que aumentar o senso de responsabilidade das pessoas, de uma forma que elas se sintam parte do negócio e acreditem que o que fazem tem valor e é reconhecido, é uma das principais maneiras para motivar os funcionários.

“É importante desenvolver um certo grau de autonomia, quanto mais o trabalhador estiver envolvido, maior a probabilidade de atuar utilizando o mindset de crescimento e de trazer bons resultados para a empresa”, afirma Solange Mata Machado, autora do livro “Desconstruindo o Mindset e Construindo Inovação“, publicado pela editora Évora. Abaixo, ela explica como alterar a programação mental para alavancar resultados tanto para os funcionários quanto para as empresas, fazendo com que se sintam mais motivados.

Mindset e a cultura organizacional

O conceito de mindset está centrado na crença de se poder ou não alterar os traços pessoais. “No mindset fixo, as pessoas acreditam que tais características são inatas e não podem ser alteradas. Já no mindset de crescimento, são aquelas que creem no controle e mudança dessas características, a partir do esforço”, conta a autora. Ao utilizar os dois, é possível adquirir a capacidade de olhar para o presente enquanto se pensa no futuro.

As empresas tradicionais, criadas com base no comando-controle tendem a desenvolver o mindset fixo, pois privilegiam o status e a certeza em detrimento da autonomia. Por outro lado, as startups, por exemplo, desenvolvem culturas organizacionais que fomentam a inovação e a criatividade, incentivando a autonomia e os relacionamentos sociais. Essas dimensões incentivam o mindset de crescimento.

A autonomia é reconhecida pelo nosso cérebro como um processo de recompensa, que aumenta nossa atenção e impulsiona a vontade de transformar e colaborar. “Fazer um mapeamento das habilidades dos funcionários, determinando tarefas e responsabilidades, mas dando liberdade para a tomada de decisões é um passo importante para incentivar essa autonomia. Compartilhar conhecimento e informações que melhorem o desempenho e demonstrar confiança no funcionário também ajuda nesse processo”, explica Solange.

O que as empresas precisam se perguntar é como identificar os mindsets em seus funcionários para incentivá-los em um processo de aprendizado contínuo, demonstrando interesse naquilo que é pensado e realizado por esses trabalhadores. “Dessa maneira, eles se sentirão confortáveis e produtivos nas funções em que atuam”, finaliza a autora.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe um comentário

Top